segunda-feira, 4 de janeiro de 2021

Em 2021...

 

Que a esperança não seja uma "espera passiva", mas movimento e acção na criação do mundo que desejamos.

 
 
Um pequeno vídeo de 2 minutos sobre a palavra que nos pode inspirar e motivar durante o ano: MOVIMENTO, não apenas físico, mas movimento do espírito, da alma; o movimento que toca o coração de outro ser, o movimento que inspira e cria; o movimento que não se deixa paralisar pelo medo ou dúvida, mas que nos move em frente ... 

Feliz 2011 ☺

 

www.circulodoser.com

sexta-feira, 2 de outubro de 2020

A magia do "ordinário" ou a espiritualidade do quotidiano

 

Quando nos abrimos às maravilhas da existência, sentimos que a vida é mais que aquilo que habitualmente reconhecemos...


Na companhia de crianças somos, tantas vezes, contagiad@s pela sua alegria transbordante e leveza de ser. Sentimos o seu entusiasmo sem limites ou condições, que nos recorda que também nós, em tempos, sentíamos este maravilhamento pela vida.

Este sentido da vida como algo maravilhoso, transcendente e “mágico” foi-se desvanecendo à medida que crescemos e nos embrenhámos nas expectativas, responsabilidades e obrigações da “vida adulta”. A vida foi-se tornando rotineira, previsível, pouco inspiradora. No meio das ocupações diárias, correndo de uma tarefa a outra, não nos damos conta dos inúmeros detalhes e interconexões que formam a vida em nós e à nossa volta. A “magia” de um sorriso, de um encontro fortuito, de um som distante, ou das cores do céu num fim de tarde… Deixámos de nutrir o “maravilhamento” pela beleza inerente à vida e resumimos o quotidiano à sequencia de tarefas associadas às nossas funções sociais: pai/mãe, esposa/marido, profissional disto ou de aquilo, etc. Perdida a “reverencia” por algo maior que nós, o nosso dia-a-dia, a vida, separa-nos daquilo que nos nutre mais profundamente. Assim, vamos adiando “viver” para um dia mais tarde, quando tivermos tempo...

segunda-feira, 1 de junho de 2020

A perda de um mundo que “conhecia” - parte II

As cinco etapas do luto e da perda de Elisabeth Kubler-Ross
Ilustração de Cristina Gondar
Explorando as cinco etapas da perda e dor ...  
[continuação]



A vida é um processo de mudança e transformação 
do qual a perda faz parte. 
Toda a perda traz consigo alguma forma de pesar, 
dor e muitas vezes o luto.

A situação planetária que estamos a viver, desde praticamente o inicio do ano, é um evento social profundo, cujas mudanças bruscas e inesperadas trazem consigo perda, angustia, sofrimento e dor. Repentinamente perdemos um modo de vida, com os seus hábitos e normas pré-estabelecidas, perdemos familiares e amigos, contactos e laços sociais; perdemos ainda liberdades e muitos perderam a segurança do sustento, entre outros.

Refletindo em como me tenho sentido durante esta etapa da história da humanidade, dei-me conta de que: “o mundo que conhecia já não existe e não vai voltar”, “é o fim do mundo que conheci e diante de mim está o desconhecido!". Esta realização gerou em mim um labirinto desconexo de emoções, entre elas, tristeza, angustia, frustração, medo e também a esperança de que este seja o início da construção de uma sociedade regida por outros valores...

Para me ajudar a entender o processo de dor, pena e luto por que tantas vezes passamos nas nossas vidas e pelo qual estamos a passar agora de uma forma global, fui buscar as “cinco etapas do luto e da perda” de Elisabeth Kubler-Ross.

Na primeira parte deste artigo explorei as etapas: i) negação ou incredulidade, ii) ira, e iii) negociação. Nesta secção vamos explorar as etapas, vi) depressão e v) aceitação.

quarta-feira, 20 de maio de 2020

A perda de um mundo que “conhecia” - parte I

As cinco etapas do luto e da perda de Elisabeth Kubler-Ross
Ilustração de Cristina Gondar

Explorando as cinco etapas da perda e dor ... 


A vida é um processo de mudança e transformação do qual a perda faz parte. Toda a perda traz consigo alguma forma de pesar, dor e muitas vezes o luto. A perda acompanha-nos toda a vida, de facto podemos dizer que desde o momento da nossa conceção a perda passa a ser nossa companheira nas mais diversas formas. A primeira respiração é a perda da cumplicidade com o ser no qual gestámos e o início do nosso caminho como ser independente e autónomo, mas também interdependente e vulnerável. A passagem de criança a adolescente, a entrada na maturidade, o envelhecimento, são diferentes fases da vida que vamos percorrendo, e que implicam a perda de algo do que éramos, algo que tínhamos, para poder tornar-nos na nova versão de nós mesmos.

Para além da perda inerente ao crescimento, há tantas outras formas de perda intrínsecas ao nosso percurso humano. Perdemos amigos, amantes, filhos, trabalho, carreiras, saúde, faculdades, expectativas, fé, entre outros. Perdemos também, tradições, costumes e modos de vida. A vida é um processo de mudança e transformação do qual a perda faz parte. Toda a perda traz consigo alguma forma de pesar, dor e muitas vezes o luto.

Também eventos sociais profundos que levam a mudanças bruscas e inesperadas podem trazer consigo perda, angustia, sofrimento e dor. A situação planetária que estamos a viver desde praticamente o inicio do ano é disto um exemplo. Repentinamente perdemos um modo de vida, com os seus hábitos e normas pré-estabelecidas, perdemos familiares e amigos, contactos e laços sociais; perdemos ainda liberdades e muitos perderam a segurança do sustento, entre outros.

Refletindo em como me tenho sentido durante esta etapa da história da humanidade, observei sentimentos de tristeza, frustração, algumas vezes expectativa e entusiasmo, muitas vezes simplesmente confusão e incredulidade… e claro, medo! Neste labirinto desconexo de emoções parece-me ainda difícil encontrar direção, mas uma certeza permanece, “o mundo que conhecia já não existe e não vai voltar”, “é o fim do mundo que conheci” e diante de mim está o desconhecido!

Reconheço claramente que o mundo que ficou em suspenso tem muitas deficiências, falhas, e incluso punha em risco a sua própria continuidade. Certamente quero que regresse, mas numa versão muito melhorada!

Para me ajudar a explorar este labirinto, fui buscar as “cinco etapas do luto e da perda” de Elisabeth Kubler-Ross, que de seguida sumarizo. Tenho esperança que te possa também ser útil para entender o processo de dor, pena e luto por que tantas vezes passamos nas nossas vidas e pelo qual estamos a passar agora de uma forma global.

quarta-feira, 1 de abril de 2020

Serviços durante a situação de emergência COVID-19


Caros Amigos & Clientes,
 

Como medida preventiva suspendemos as nossas atividades presencias até a situação do COVID-19 estar resolvida.

Estamos disponíveis via telefónica e on-line 
e o vosso contacto será sempre bem-vindo & desejado! ☺ 
❦  

Como ajuda a manter o animo e espírito positivo partilhamos uma iniciativa que visa criar um campo de apoio mutuo através da conexão em oração e meditação à distancia e sem uso tecnológico  - informação & datas semanais (Espanhol)(English)
❦ 
Partilhamos ainda o livro, "El Yoga del Perdón", da autoria de Isaac Portilla, editado por Juan Yusta (edição 2020 em espanhol, formato PDF), sobre o perdão como caminho de transformação e comunhão com o divino.

Até breve & mantenham-se saudáveis e inspirad@s 🌞